Nenhuma pessoa hipnotizada faz aquilo que não faria acordado, ou seja, ele só é capaz de fazer aquilo que considera inofensivo e, mesmo assim , se desejar.

Não existe qualquer tipo de dependência na hipnose. A hipnose não é igual ao sono. É um estágio anterior ao sono, quando a pessoa está concentrada, com certo grau de consciência e podendo responder a comandos. É um relaxamento de forma alerta.

Embora a hipnose tenha a facilidade de trazer alívio e paz, o que já serve para tratar uma série de angústias e ansiedades, ela é apenas uma ferramenta utilizada nas terapias. A hipnose em si não é uma terapia – ao contrário de ficar inconsciente, o hipnotizado fica atento, prestando atenção a tudo o que o hipnotizador diz. Ele terá oportunidade de lembrar de coisas há muito esquecidas, o que chamamos de hipermnésia.

Caso ocorra a morte do hipnotizador – ao deixar de ouvir a voz dele, a pessoa interrompe o transe induzido ou pode até continuar um pouco, mas desperta em seguida. O transe pode se transformar em sono e, se assim for, a pessoa acordará normalmente depois de haver descansado um pouco.

A hipnose não é prejudicial à saúde, não causa danos – desde que utilizada por profissionais competentes, reconhecidos por alguma associação ou instituição ligada à hipnose. A maior contra-indicação da hipnose é a falta de habilidade, ética, prudência do hipnoterapeuta.

Os tratamentos com a hipnose são mais rápidos basicamente pela forma de comunicação que é feita, e da disponibilidade do cliente em aceitar tais sugestões. Na hipnose, a pessoa tem a possibilidade de chegar a estados profundos de percepção e mudança, que em vigília, apenas numa conversa não chegaria; desta forma a hipnose clínica possui grande importância dentro dos hospitais e clínicas especializadas, pois as pessoas já chegam propensos às mudanças.

No dia-a-dia, estamos com nossa atenção dissipada, pensando em muitas coisas ao mesmo tempo; já durante a hipnoterapia, a pessoa fica focada naquilo que o está atrapalhando na vida , e percebe com o estado alterado de consciência coisas que normalmente não perceberia. E devido a esse momento durante a hipnoterapia a pessoa reconhece possibilidades de escolhas que o levarão à mudanças.
É importante lembrar que a hipnose clínica não é como os shows que vemos na televisão. No consultório, o objetivo é utilizar o conjunto de fenômenos da mente para facilitar o processo terapêutico.

Postado em: Sem categoria