Para trabalhar superação de dificuldade escolar nem sempre é fácil, claro e acessível ao nosso entendimento, sendo que na maioria das vezes precisamos da ajuda de um terapeuta que oriente, e ajude a enxergar os fatos por um ângulo que não se está conseguindo ver. Para sair desse desgaste, a decisão está dentro, e não fora de você. O caminho para dentro de si é o autoconhecimento, e o reconhecimento daquilo que precisa mudar. Uma vez descoberta as causas, sejam bloqueios, traumas, falta de concentração, medos, angustias, ansiedades, conflitos familiares e sociais – a pessoa consegue administrar melhor suas emoções, ela é capaz de se manter mais concentrada, harmoniosa, feliz e a superação do bloqueio que a impede no progresso transpessoal e interpessoal

Jovem, adulto que necessitam de atenção especial nos aspectos de rendimentos escolares, familiar e social, baixo aproveitamento repentino ou mesmo, dificuldade de raciocínio lógico, aprendizagem, educando em relação às dificuldades de conduta – o trabalho de ajuda em parapsicologia tem como ponto de partida, proporcionar recursos específicos parapsicológicos na dimensão de aconselhamento e objetivando a superação de bloqueios que o impedem de ser feliz que foram causados por situações que presenciou ou vivenciou no período de gestação dentro do ventre materno, na primeira infância, pré-adolescência, adolescência e outras etapas da vida. É possível libertar-se de comportamento inadequado, eliminando o autobloqueio, programações mentais e emocionais e dissolver padrões negativos e torná-los positivos através da ressignificação, fazendo com que a pessoa compreenda, com a visão e conhecimento que ela possui hoje, os fatos ocorridos há muitos anos.

A parapsicologia deve ser encarada como um poderoso instrumento para o restabelecimento de desordens emocionais, e a dessensibilização do conteúdo traumatizante, removendo do subconsciente programação mental e emocional. O parapsicólogo não vê o problema, mas sim a solução, por isso a Parapsicologia é racional.

Artigo publicado no jornal da Educação/2006.

Postado em: Sem categoria